Links Interessantes

Sem Esperança


Luiz Felipe Pondé*


Pergunto-me por que não proíbem professores de pregar o marxismo e toda a bobagem de luta de classes

RESPONDO ASSIM, de bate-pronto, a um aluno: “Não, não tenho nenhum ideal”. Silêncio. Talvez um pouco de mal-estar. Todos ali esperavam uma resposta diferente porque todo mundo legal tem um ideal.

Eu não tenho. É assim? Confesso, não sou legal, nem quero ser. Duvido de quem é legal e que tem um ideal. Esperança? Tampouco. E suspeito de quem queira me dar uma.

De novo respondo assim, de bate-pronto, a outro aluno: “Não, não quero mudar o mundo, nem mudar o homem, muito menos a mulher, a mulher, então, está perfeita como é, se mudar, atrapalha, gosto dela assim, carente, instável, infernal, de batom vermelho e de saia justa”.

Mentira, esta última parte eu acrescentei agora, mas devia ter dito isso também. Outro silêncio. Talvez, de novo, um pouco de mal-estar. Espero que falhem todas as tentativas de mudar o homem.

Não saio para jantar com gente que quer mudar o mundo e que tem ideais. Prefiro as que perdem a hora no dia que decidiram salvar o mundo ou as que trocam seus ideais por um carro novo. Ou as que choram todo dia à noite na cama.

Tenho amigos que padecem desse vício de ter ideais e quererem salvar o mundo, mas você sabe como são essas coisas, amigo é amigo, e a gente deve aceitar como ele (ou ela) é, ou não é amizade.

Perguntam-me, estupefatos: “Mas você é professor, filósofo, escritor, intelectual, colunista da Folha, como pode não ter ideal algum ou não querer mudar o mundo?”.
Penso um minuto e respondo: “Acordo de manhã e fico feliz porque sou isso tudo, gosto do que faço, espero poder fazer o que faço até o dia da minha morte”.
Perguntam-me, de novo, mais estupefatos: “Mas você está envolvido no debate público! Pra quê, se você não quer mudar o mundo?”.

Sou obrigado a pensar de novo, outro minuto (afinal, são perguntas difíceis), e respondo: “Participo do debate público pra atrapalhar a vida de quem quer mudar o mundo ou de quem tem ideais”.

Os intelectuais e os professores pegaram uma mania de ser pregadores, e isso é uma lástima. Inclusive porque são pessoas que leem pouco e que são muito vaidosas, e da vaidade nunca sai coisa que preste (com exceção da mulher, para quem a vaidade é como uma segunda pele, que lhe cai bem).

O que você faria se algum professor pregasse o evangelho ao seu filho na faculdade? Provavelmente você lançaria mão de argumentos do tipo que os intelectuais lançam contra o ensino religioso: “O Estado é laico e blá-blá-blá… porque a liberdade de pensamento blá-blá-blá…”. Se for para proibir Jesus, por que não proibir qualquer pregação?

Pergunto-me por que não proíbem professores de pregar o marxismo em sala de aula e toda aquela bobagem de luta de classes e sociedade sem lógica do capital? Isso não passa de uma crendice, assim como velhas senhoras creem em olho gordo.

Nas faculdades (e me refiro a grandes faculdades, não a bibocas que existem aos montes por aí), torturam-se alunos todos os dias com pregações vazias como essas, que apenas atrapalham a formação deles, fazendo-os crer que, de fato, “haverá outro mundo quando o McDonald´s fechar e o mundo inteiro ficar igual a Cuba”.

Esses “pastores da fé socialista” aproveitam a invenção dessa bobagem de que jovem tem que mudar o mundo para pregarem suas taras. Normalmente, a vontade de mudar o mundo no jovem é causada apenas pela raiva que ele tem de ter que arrumar o quarto.

E suspeito que, assim como fanáticos religiosos leem só um livro, esses pregadores também só leem um livro e o deles começa assim: “No princípio era Marx, e Marx se fez carne e habitou entre nós…”.

Reconhece-se uma pregação evangélica quando se ouve frases como: “Aleluia, irmão!”. Reconhece-se uma pregação marxista quando se ouve frases como: “É necessário destruir o mundo do capital e criar uma sociedade mais justa onde o verdadeiro homem surgirá”.

Pergunto, confesso, com sono: “E quem vai criar essa sociedade mais justa?”. Provavelmente o pregador em questão pensa que ele próprio e os seus amigos devem criar essa nova sociedade.

Mentirosos, deveriam ser tratados como pastores que vendem Jesus e aceitam cartão Visa.

 

*Luiz Felipe Pondé - Pós-doutor em Epistemologia pela University of Tel Aviv – Israel - filósofo, teólogo e professor da PUCSP e da FAAP. 


O texto a seguir foi publicado na Folha de São Paulo, segunda-feira, 07/06/2010.

Mais Artigos:

Entrevista com Sonia Lyra para a Edição Especial da Teologia Acadêmica sobre Psicologia da Religião

Sonia Lyra leva imaginação ativa à Alemanha

Salmos chilenos

Os Sonhos e a Morte

Alienação e Experiência Religiosa

Nietzsche, Jung e a Morte de Deus

Espiritualidade e Saúde em Hildegard de Bingen

Niilismo e Arte

ORIXÁS: As Forças da Alma

O Pecado Original

Psicologia e Meditação

Revela-se o germe: Vida

Psicologia e Vida Mística

Angústia Psicológica ou Angústia Teológica?

O Sol sobre o Pântano

Flagelo da classe média

A Ganância da Honra

São Paulo à La Carte

"O homem não aceita mais ficar triste"

Abel

Os Sonhos

Meninas fáceis

Pedofilia - O Fascínio do Horror

Insônia

A importância de Jesus na educação, independentemente de religião

Luiz Felipe Pondé

Carta de Bill W. a Carl Jung

Não precisa casar. Sozinho é melhor

Agostinho e a Configuração da Interioridade

Depressão na terceira idade

A rosa e o tempo

O filósofo, a torre e o Papa

A existência é culpada ou inocente? Deleuze e a filosofia de Nietzsche

O ser humano é mentiroso, corrupto, frágil e confuso

Dez Teses contra a Torre de Babel

Ateísmo e Inocência: uma análise a partir de Jung e Nietzsche

Sonho e premonição

Zaratustra e o Niilismo em: das Três Metamorfoses

Morte de Deus e Salvação da Alma: Jung Leitor de Nietzsche

Lições de Sade, ensaios sobre a imaginação libertina

Ichthys - Instituto de Psicologia e Religião
Fone: (41) 3357-9895 / 9990-0575 - secretaria@ichthysinstituto.com.br - ichthys@ichthysinstituto.com.br