Links Interessantes

Salmos chilenos


Luiz Felipe Pondé*

Ter esperança, crer na vida e amar separa a infância espiritual da maturidade da alma.


Catedral de Santiago do Chile

Dias atrás entrei na catedral de Santiago do Chile. Minha mulher, discípula de Guimarães Rosa, para quem "quanto mais religião melhor", adora todo e qualquer santo.

Eu, mais miserável nesse assunto, apesar de não religioso, sou facilmente capturado pelo aspecto estético e sublime de templos sagrados. Foi um prazer ver e ouvir aquela missa "en chileno".

A catedral silenciosa, discreta e com pouca luz, com sua altura gigantesca, nos ajudava a lembrar nosso lugar no mundo --que não me venham os inteligentinhos fazer o blá-blá-blá da crítica à religião, porque a conheço desde o jardim da infância.

Sentir-se "em seu justo lugar no mundo" é parte clássica de toda boa espiritualidade, contra esse narcisismo dos "direitos do Eu total" de hoje, essa coisa "ninja brega".

Este "justo lugar no mundo" é parte daquilo que o historiador das religiões Mircea Eliade chama de perceber que não somos o "axis mundi" (o eixo do mundo). Toda verdadeira espiritualidade deve nos ajudar a vivenciar este "descentramento" de nosso próprio valor.

O mistério me encanta e me faz sentir menos banal. A sensação da banalidade de tudo me esmaga continuamente. Sou um peregrino da falta de sentido. Uma testemunha da noite escura da alma de San Juan de la Cruz e Terrence Malick. Não levo a sério ateus militantes que ainda acham que ateísmo é "evolução espiritual". Para mim, ateísmo é, apenas, o modo mais óbvio de ser e um estágio elementar em filosofia.

Fiquei ateu com oito anos. Alguém poderia dizer que com os anos me tornei um ateu encantado pelo "personagem" Deus e pela possibilidade de existir o perdão no mundo, justamente porque, no fundo, não o merecemos. Sou cego, mas pressinto o espaço à minha volta.

O padre em sua homilia falava da alegria da vida. O papa Francisco quando cá esteve tocou neste tema, falando da "religião da alegria". Não se trata de autoajuda, como pode parecer aos desinformados, mas da mais fina teologia moral cristã (e judaica também). O que é essa alegria? Vejamos.

A vida é precária. A pobreza (material, espiritual, psicológica) é como a gravidade, na hora em que relaxamos, ela nos consome. É uma questão de tempo. Nosso caminho é "para baixo". Não é à toa que tomamos antidepressivos o tempo todo, cada um se vira como pode. A solidariedade na melancolia devia nos unir a todos. O que não perdoo na autoajuda é que ela mente para nosso justo desespero dizendo que ele é mera questão de incompetência.

É aqui que começa a consistência da teologia da alegria a qual se refere o papa Francisco: temos todas as razões "materiais" do mundo para sermos tristes, o milagre é não sermos tristes todo o tempo.

Confiar na vida é quase impossível. A fé na vida é um mistério e um dom. Muito mais caro do que a inteligência e a cultura --não as desprezo, porque inclusive elas são quase tudo que tenho.

Este é o sentido de fé como "estar acompanhando" em sua encíclica "A Luz da Fé".

A alegria da qual falava o padre chileno e o papa Francisco é a "alegria teologal", aquela que nasce das três virtudes teologais básicas: a esperança, a fé e a caridade (o amor).

Ter esperança, crer na vida e amar são experiências que separam a infância espiritual da maturidade da alma. O desespero é o caminho mais curto entre dois momentos na vida. A esperança é que é o milagre para quem enxerga o mundo como ele é. Por isso, toda literatura espiritual séria começa pelo vale das sombras.

Dizer que uma virtude é teologal é dizer que ela é fruto da graça de Deus, não uma dedução a partir dos fatos do mundo. Dos fatos, apenas deduzimos o desespero. Mas, por isso mesmo, esta alegria, quando nos visita, tem o hálito divino, por sua própria quase total impossibilidade de ser, para quem reconhece o vale das sombras à nossa volta. Na mística, esta alegria pode nos levar às lágrimas. Este é o conhecido "dom das lágrimas", marca de quem vê a beleza do mundo em meio ao véu absoluto do desespero.

Nada a ver com religião como muleta, mas sim com uma espiritualidade de quem caminha só, eternamente, entre sombras.

 

*Publicado na Folha de São Paulo em 26/08/2013
 

Mais Artigos:

Entrevista com Sonia Lyra para a Edição Especial da Teologia Acadêmica sobre Psicologia da Religião

Sonia Lyra leva imaginação ativa à Alemanha

Os Sonhos e a Morte

Alienação e Experiência Religiosa

Nietzsche, Jung e a Morte de Deus

Espiritualidade e Saúde em Hildegard de Bingen

Niilismo e Arte

ORIXÁS: As Forças da Alma

O Pecado Original

Psicologia e Meditação

Revela-se o germe: Vida

Psicologia e Vida Mística

Angústia Psicológica ou Angústia Teológica?

O Sol sobre o Pântano

Flagelo da classe média

A Ganância da Honra

São Paulo à La Carte

"O homem não aceita mais ficar triste"

Abel

Sem Esperança

Os Sonhos

Meninas fáceis

Pedofilia - O Fascínio do Horror

Insônia

A importância de Jesus na educação, independentemente de religião

Luiz Felipe Pondé

Carta de Bill W. a Carl Jung

Não precisa casar. Sozinho é melhor

Agostinho e a Configuração da Interioridade

Depressão na terceira idade

A rosa e o tempo

O filósofo, a torre e o Papa

A existência é culpada ou inocente? Deleuze e a filosofia de Nietzsche

O ser humano é mentiroso, corrupto, frágil e confuso

Dez Teses contra a Torre de Babel

Ateísmo e Inocência: uma análise a partir de Jung e Nietzsche

Sonho e premonição

Zaratustra e o Niilismo em: das Três Metamorfoses

Morte de Deus e Salvação da Alma: Jung Leitor de Nietzsche

Lições de Sade, ensaios sobre a imaginação libertina

Ichthys - Instituto de Psicologia e Religião
Fone: (41) 3357-9895 / 9990-0575 - secretaria@ichthysinstituto.com.br - ichthys@ichthysinstituto.com.br